XII ENCONTRO NORTE/NORDESTE DE GRÃO-MESTRES E FRAFEM'S

O texto do INFORMATIVO BARBOSA NUNES, publicado no Site do GOB e em jornais, retrata o ocorrido em nosso Oriente durante o XII ENCONTRO NORTE/NORDESTE DE GRÃO-MESTRES E FRAFEM'S
MAÇONARIA, RIO DOS SIRIS E CAJUEIRO DOS PAPAGAIOS
Artigo 218, de Barbosa Nunes, publicado no Jornal Diário da Manhã, edição 18/04/2015.
 
Pela honra em retornar ao estado do Sergipe, especificamente, Aracaju, no período de 08 a 11 de abril, no exercício do Grão-Mestrado Geral do Grande Oriente do Brasil, e mais, pela alegria em rever a família maçônica, contatos que venho mantendo, desde que, por missão do Grão-Mestre Geral do GOB à época, Laelso Rodrigues, lá estive durante uma semana apoiando o extraordinário Encontro Nacional da Ação Paramaçônica Juvenil - APJ. Agora, participei do XIV Encontro de Grão-Mestres e Presidentes de Fraternidades Femininas do Norte e Nordeste.
 
Antes de abordar o evento presidido e conduzido, por este casal exemplar na fraternidade, acolhida e bondade, Grão-Mestre Estadual do GOB-Sergipe, Lourival Mariano de Santana e Presidente da Fraternidade Estadual, Valdinar Maciel de Santana, a inspiração e o sentimento de que fui tocado, me leva buscar os significados dos vocábulos Sergipe e Aracaju.
Siri - i - pe. Em tupi, “siri” é caranguejo, “i” é água, “pe” é caminho ou curso. A junção das palavras resulta em rio dos siris. Siris são animais marinhos que andam de lado, também encontrados em manguezais, na verdade um caranguejo. Também foi adotado em outra época “Cirizipe” ou “Cerizipe”, que significa “ferrão”, nome de um dos cinco caciques que se opuseram ao domínio português. Siri - i - pe transformou-se em Sergipe. Aracaju é sua capital, nome também de origem indígena, “ara acaiú”, que em tupi guarani significa “cajueiro dos papagaios”. Portanto, Sergipe é “rio dos siris” e Aracaju é “cajueiro ou morada dos papagaios”.
Pesquisa paleontológica encontrou em Sergipe fósseis de mamíferos que viveram há mais de dez mil anos. Dezesseis espécies de fósseis entre elas preguiçam, tigres e tatus. Há indicações de que animais gigantes viveram na região, na época da pré-história. Grande e maravilhoso Sergipe.
 
 
À aconchegante, encantadora, de uma orla maravilhosa onde a pressa é devagar, Aracaju, recebeu maçons e cunhadas comprometidas com um novo país, quando através de abordagens e estudos, produziram um documento de muita importância denominado Carta de Aracaju, assinado pelas lideranças do Norte e Nordeste e apoiado pelos convidados, que identifico nominalmente e pelos seus estados, Aderaldo Pereira de Oliveira (Paraíba), Amintas Xavier (Minas Gerais), Daury dos Santos Ximenes (Pernambuco), Divino Carlos Gouvea (Roraima), Francisco José de Sousa (Piauí), José Anizio de Araújo (Ceará), José Augusto (Acre), José de Jesus Billio Mendes (Maranhão), Julio Tardin (Mato Grosso), Juraci Jorge da Silva (Rondônia), Luis Carlos de Castro Coelho (Goiás), Raimundo Farias (Pará) e Silvio de Souza Cardim (Bahia). Presentes ainda Grãos Mestres eleitos, a serem empossados no mês de junho, dos estados de Rio Grande do Norte, Roraima, Alagoas, Ceará, Maranhão e o Presidente da Assembleia Federal Legislativa, Ademir Candido.
 
Na noite de 08 de abril, o Venerável Mestre Gilvan Pinto Monteiro da Loja Maçônica "Cotinguiba", membros do quadro e vários visitantes me receberam, junto com o Grão-Mestre do GOB - Sergipe, irmão Lourival Mariano e o Grão-Mestre do GOB - Mato Grosso, Júlio Tardin.
Tive a honra de proferir curta palestra, e o momento de muita emoção foi quando da entrega do Diploma e Condecoração do irmão Obede Costa Andrade, com a Comenda D. Pedro I.
 
Em 09 de abril aconteceu a abertura do XII Encontro de Grão-Mestres Estaduais e Presidentes de Fraternidades Femininas, no templo da histórica Loja "Cotinguiba", que tem 143 anos de fundação, sob a presidência do Grão-Mestre Lourival Mariano que organizou e patrocinou o evento, com apoio de uma equipe muito dedicada. O ponto alto foi a participação de um dos maiores palestrantes do Brasil, maçom Antônio Neto, que conduziu as cerca de 200 pessoas presentes a uma reflexão motivadora com exemplos comportamentais, demonstração de potencialidades em um momento alegre, descontraído e muito incisivo no tema da aprendizagem e humildade. É um profissional que indicamos para qualquer instituição do Brasil, seja social, religiosa, política, econômica, empresarial, não se falando que já esteve proferindo palestras no exterior. A Loja Maçônica ou o Grande Oriente Estadual que o receber, não tenho dúvidas, de que novos caminhos serão encontrados, no desbastar da pedra bruta. Parabenizo o Grão-Mestre Lourival Mariano, por ter nos proporcionado uma grande aprendizagem com a palestra de Antônio Neto.
 
 
O dia seguinte foi dedicado a uma pauta debatida sobre temas antecipadamente elencados, nos aspectos administrativos, ritualísticos e sociais, desdobrando-se no documento referido “Carta de Aracaju”.
 

Em encerramento com chave de ouro, o Grão-Mestre Lourival Mariano de Santana, presidiu a Comissão de Regularização, composta por Clairton de Santana, Benone Rodrigues de Faria, Gilberto José Costa-Silva, Francisco Flávio Marinho Pontes e José Renivaldo Benigno da Cunha, de uma nova Loja, que recebeu o nome de Loja Maçônica "Estrela de Davi", nº 4360, assumindo como Venerável provisório em preparativo para conduzir a eleição da nova diretoria, Carlos Henrique Lins de Santana. Solenidade altamente significativa, de muita importância, prestigiada por um grande número de maçons e cunhadas em confraternização no salão social da Loja "Tiradentes".
 
 
No encerramento deste artigo, canto como o poeta José Alex, “Sergipe terra adorada, que só traz emoção, de ser mais um sergipano que te ama de paixão. Tu és a minha casa, tu és a minha vida, um lugar maravilhoso, cheia de gente querida”.
Sergipe das cidades históricas, São Cristóvão e Laranjeiras, Sergipe do Xingó, dos Cânions do São Francisco, Sergipe do Mangue Seco, Sergipe dos passeios de Catamarã, Sergipe de Aracaju, que tem caju em esculturas, desenhos, motivos, caju doce, delicioso fruto da terra, cantada assim por Caetano Veloso “Céu todo azul, chegar no Brasil por um atalho. Aracaju, terra cajueiro papagaio. Aracaju, moqueca de cação no João do Alho. Aracaju, voltar ao Brasil por um atalho. Aracaju, cajueiro, arara cor de sangue. Ser feliz, o melhor lugar é ser feliz. O melhor é ser feliz, mas onde estou, não importa tanto aonde vou. O melhor é ter amor.”.
 
Sergipe, Aracaju, morada de uma maçonaria comprometida e atuante. Agradeço por ter estado ai com vocês mais uma vez. Sempre estarei com Aracaju no meu coração. 
 
Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - [email protected]